Tratamento Físico da Piscina

O tratamento físico da piscina não tem despertado tanta atenção quanto o tratamento químico, embora ele tenha igual ou até maior importância que o mesmo.


Uma piscina não pode ter sua água em condições de balneabilidade sem o adequado tratamento físico.


A sujeira, se não for retirada, serve de alimento e alojamento aos micro-organismos.


Além disso, a água poder ficar turva e, portanto, não convidativa ao banho.


Pior ainda, propícia a acidentes, inclusive os de ralos de fundo.


Quando se fala em tratamento físico da piscina, não só o tanque da mesma é considerado, mas também, o deck, vestiários, corredores e outros anexos.


Tratamento Físico da Piscina

Por se tratar de tema abrangente, vamos dividir o assunto em cinco artigos:

  1. Limpeza da superfície da água, meio aquoso, paredes e piso da piscina

  2. Filtros e meios filtrantes modernos

  3. Bombas de recirculação

  4. Bombas de velocidade variável

  5. Tempo e taxa de recirculação

Limpeza da superfície da água, meio aquoso, paredes e piso da piscina


Nas piscinas descobertas deve-se retirar materiais estranhos situados na superfície como insetos, folhas, etc. Utilizando uma peneira apropriada.


As paredes da piscina devem ser esfregadas diariamente ou em espaços maiores quando a sujeira aderida for pouca.


O fundo da piscina deve ser aspirado de tempos em tempos assim que necessário.


Quando a sujeira for pouca aspira-se filtrando, caso contrário drenando.

O uso de aspiradores independentes é uma alternativa inteligente e econômica.


Os cestos das coadeiras e das bombas de aspiração devem ser inspecionados e limpados frequentemente.


A guarnição de borracha dos cestos devem ser lubrificadas mensalmente com óleo de silicone.


Retrolavagem

À medida que a sujeira vai se acumulando no filtro, ocorre resistência a passagem da água, o que pode ocasionar uma taxa de recirculação menor que a especificada pelas normas.


Quando isso acontece, o meio filtrante deve ser limpo e/ou trocado.


Um manômetro colocado depois do filtro ou, melhor ainda, um par de manômetros colocados na entrada e na saída do filtro, fornecem uma boa indicação de quando esta operação deve ser realizada.


Nos filtros de areia, essa operação é conhecida como retrolavagem.


Fazer a retrolavagem sem necessidade, além de gerar perda de água, de produtos químicos e, eventualmente, de calor, pode até prejudicar a filtração.


Por outro lado, pouca retrolavagem prejudica a vazão.


Diluição

À medida que a piscina vai sendo utilizada, os sólidos dissolvidos vão aumentando pela ação dos produtos químicos jogados na mesma e pela evaporação.


Este aumento de sólidos dissolvidos tem uma série de desvantagens, sendo as principais: a diminuição do poder de desinfecção e o aumento da corrosão na piscina e em seus equipamentos.


Assim, de tempos em tempos, é preciso escoar parte da água e acrescentar água nova com pouco sólidos dissolvidos.


Água cristalina e de ótima qualidade não é possível sem uma boa filtração, tempo de circulação, eliminação de zonas mortas, esfregação adequada das paredes e do piso da piscina e finalmente do tratamento químico.

Tratamento Físico da Piscina

Nos próximos artigos você encontrará informações sobre:

  • Filtros e meios filtrantes modernos

  • Bombas de recirculação

  • Bombas de velocidade variável

  • Tempo e taxa de recirculação


Nilson Maierá

Engenheiro químico, consultor especialista, há mais de três décadas, em projetos, qualidade, manutenção e segurança de piscinas.


Autor do livro “Piscinas Litro a Litro”.


Palestrante sobre diversos assuntos relacionados a piscinas de grande porte, utilizadas por público variado.


Contato

Para palestras ou consultorias com Nilson Maierá envie e-mail para nmaiera@terra.com.br ou contate pelos telefones (011) 98965-6197 / (011) 5081-2768

#tratamento #piscinas #clubes #parquesaquáticos #hoteis #academias

Posts em Destaque
Posts Recentes
Arquivos
Pesquisar por Tags
Nenhum tag.

         Nilson Maierá          

Tel:  (11) 98965-6197