Cuidados com o Biofilme


Cuidados com o Biofilme

Biofilme


Em primeiro lugar, vamos deixar claro o que é Biofilme?


São organizações dinâmicas de micro-organismos que se comunicam por meio de sinais químicos, que permitem aderência ou desaderência em superfícies úmidas de maneira organizada para que os micro-organismos do biofilme sobrevivam.


Bactérias, principalmente, mas outros micro-organismos como vírus, fungos e parasitas, podem, em conjunto, serem protegidos contra desinfetantes por uma capa de proteção denominada biofilme.


Esta capa de proteção é o resultado de uma substância que guarda certa semelhança com o plástico, proveniente da secreção de bactérias de uma substância chamada de extra celular polissacarídeo.


Ou seja, são bactérias, vírus, fungos e parasitas, se juntando sob uma capa de proteção, o biofilme.


A fim de sobreviverem e se proliferarem com mais facilidade.


Protegendo-se contra formas de detê-los, como os desinfetantes, no caso das piscinas, por exemplo.


Por isso, o engenheiro químico Nilson Maierá, consultor especialista em projetos, qualidade, manutenção e segurança de piscinas.


Há mais de três décadas no ramo.


Autor do livro “Piscinas Litro a Litro”.


Palestrante sobre o assunto em clubes e associações.


Destaca a importância de profissionais que trabalham com piscinas prestarem atenção nos problemas que o biofilme pode ocasionar.



Biofilme um problema comum em várias áreas


Um exemplo mais próximo de todos os cidadãos para explicar melhor o biofilme é a conhecida placa bacteriana dental.


Frequentemente, a união dos micro-organismos além de afetar a higiene dos dentes, prejudica a saúde bucal.


Diferenças com micro-organismos normais


A bactéria em um biofilme difere da bactéria que flutua na água livremente denominada bactéria plantônica.


A bactéria no interior do biofilme é denominada “sessile”


piscina

Biofilme na piscina


É uma associação complexa de micro-organismos e agentes microbianos aderidos a uma superfície, podendo armazenar bactérias patogênicas em fendas nas paredes e no piso da piscina, nos filtros e nas tubulações.


Quando localizadas nas tubulações e nos filtros elas não representam perigo porque estão longe do alcance dos banhistas.


Entretanto, ao se desprenderem destas superfícies, chegam ao meio aquoso e se tornam muito perigosas.


Dessa forma, para serem inativadas ou destruídas necessitam de uma concentração muito alta de desinfetante, além do tempo longo que a operação demanda.


Os fabricantes de vidro moído e vidro reciclado moído afirmam que, devido a estes meios filtrantes serem constituídos de superfícies muito lisas, não há a possibilidade de formação de biofilme um vez que os micro-organismos não encontram superfícies ásperas, como por exemplo a areia.



Biofilme – prevenção e cuidados na desinfecção


Em primeiro lugar, é importante prevenir sua formação.


Porque, uma vez formado o biofilme, sua remoção torna-se muito difícil.


De fato, na maioria das vezes, uma lavagem com cloro é necessária para desinfetar completamente a piscina.


A eliminação de uma bactéria protegida pelo biofilme exige para sua extinção uma concentração de desinfetante 100 vezes maior em relação às bactérias flutuantes.


Contato

Para palestras ou consultorias com Nilson Maierá envie e-mail para nmaiera@terra.com.br ou contate pelos telefones (011) 98965-6197 / (011) 5081-2768


#tratamento #piscinas

Posts em Destaque
Posts Recentes